Todos

Diabetes: como a cirurgia bariátrica atua no controle da doença?

Diabetes: como a cirurgia bariátrica atua no controle da doença?

A cirurgia bariátrica vem sendo apontada como um procedimento auxiliar no controle e melhora de comorbidades associadas à obesidade, como a diabetes e a hipertensão.

Comorbidades são doenças que estão associadas a uma outra patologia. A diabetes tipo 2 é uma comorbidade associada à obesidade. Ou seja, doença que pode surgir quando uma pessoa ganha um grande volume de peso, por exemplo.

A cirurgia bariátrica não representa a cura nem para a obesidade, nem para a diabetes. No entanto, este procedimento de redução de estômago permite que o paciente perca uma grande quantidade de massa corporal, equilibrando, assim, seus os níveis de açúcar no sangue.

Entenda melhor, no post de hoje, como isso acontece!

Como a bariátrica pode controlar a diabetes?

Na maioria dos casos de diabetes tipo 2, a baixa produção de insulina, hormônio que controla os níveis de açúcar no sangue, é consequência da obesidade. Isso acontece porque o excesso de gordura abdominal cria uma resistência à ação da insulina.

Por isso, quando há a perda de peso, consequentemente há também um reequilíbrio dos níveis desse hormônio, além da redução da glicose na corrente sanguínea.

A perda de peso se dá, pois quando uma pessoa realiza a cirurgia bariátrica, há no estômago uma redução da grelina, hormônio que estimula a fome e a saciedade. Com isso, a fome também diminui e o emagrecimento é mais rápido, contribuindo para o controle da diabetes.

Além disso, o estômago reduzido pela cirurgia não consegue digerir o alimento, que acaba chegando praticamente intacto e mais rápido ao intestino. A chegada mais rápida promove uma liberação de diversos hormônios, entre eles o GLP1. Esse hormônio age sobre o pâncreas, que passa a produzir mais insulina.

Com mais insulina, o corpo consegue colocar mais açúcar para dentro das células. Com isso, o açúcar no sangue diminui. Além disso, quando a pessoa emagrece, diminuem também as substâncias inflamatórias, que bloqueiam a ação da insulina na célula. Assim, a insulina age melhor.

Todo diabético pode fazer bariátrica?

Na verdade, nem todas as pessoas que têm diabetes podem fazer a cirurgia bariátrica. O procedimento só pode ser realizado em pacientes com índice de massa corporal (IMC) igual ou maior que 40. No entanto, quando a pessoa tem diabetes, a cirurgia pode ser realizada em casos de IMC entre 35 e 40.

Antes de se submeter ao procedimento, o paciente precisa passar por uma avaliação multidisciplinar, com um corpo médico formado por endocrinologista, nutricionista, psiquiatra e psicólogo.

É importante ressaltar que, se o paciente não mantiver uma rotina saudável após a bariátrica, ele pode voltar a ganhar peso, prejudicando assim o controle da diabetes.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião geral no Rio de Janeiro!

Posted by felipemalafaia in Todos
Como a cirurgia bariátrica atua no controle da hipertensão?

Como a cirurgia bariátrica atua no controle da hipertensão?

Você sabia que a cirurgia bariátrica pode auxiliar no controle da hipertensão arterial? Isso acontece porque a perda de peso que ocorre após o procedimento faz com que haja a diminuição do fluxo sanguíneo nas artérias.

Além da questão hereditária, a obesidade é um dos fatores de risco responsáveis pela pressão arterial alta. Manter o peso adequado é fundamental no tratamento deste tipo de problema cardiovascular. Por isso, os médicos acreditam na importância da bariátrica em casos específicos de hipertensão.

Além disso, o procedimento de redução de estômago interfere na produção de hormônios e outras substâncias que favorecem a pressão alta. Entenda melhor o assunto, a seguir!

Cirurgia bariátrica x Hipertensão

Como falamos, manter bons hábitos, como uma alimentação saudável e a prática de atividades físicas, é fundamental para o controle da hipertensão arterial.

No entanto, ainda não havia evidências suficientes que mostrassem que perder peso por meio da cirurgia bariátrica pudesse contribuir para o controle da pressão alta.

Foi então que um grupo de médicos realizou estudo para verificar o comportamento de doenças, como a diabetes e a pressão alta, em dois diferentes grupos: um que fez a cirurgia bariátrica e outro não submetido ao procedimento.

Foi observado que o grupo não operado precisou tomar mais medicações para diabetes e colesterol alto. Isso quer dizer que a realização da bariátrica não cura a hipertensão.

Além disso, é importante entender que qualquer cirurgia envolve riscos e que o paciente deverá controlar o peso e a pressão arterial pelo resto da vida. De forma contrária, o grupo submetido à intervenção, demonstrou mais controle da pressão arterial, após a cirurgia bariátrica.

Todo hipertenso obeso pode fazer cirurgia bariátrica?

Atualmente, a bariátrica é indicada para indivíduos com Índice de Massa Corporal (IMC) entre 35 e 39,9 , que possuam alguma comorbidade, como diabetes ou hipertensão.

No entanto, é importante destacar que a cirurgia bariátrica só é recomendada quando o paciente está há mais de cinco anos com excesso de peso. Além disso, é necessário que ele tenha tentado outros tratamentos para perder o excesso de gordura, como dieta, terapia e exercícios físicos.

Se um indivíduo apresenta IMC alto há bastante tempo, e já passou por outros tratamentos por um período superior a dois anos, porém não obteve sucesso, talvez seja a hora de conversar com um médico sobre a possibilidade de uma cirurgia bariátrica. Principalmente se ele sofre de hipertensão.

É importante ressaltar que pacientes com hipertensão acentuada antes do ganho de peso têm maior dificuldade para controlar a doença, mesmo depois do procedimento de redução de estômago.

Por isso, antes de mais nada, converse com um médico de confiança sobre a real necessidade de realização da cirurgia bariátrica, no seu caso.

Quer saber mais sobre bariátrica e hipertensão? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião geral no Rio de Janeiro!

Posted by felipemalafaia in Todos
7 hábitos que te impedem de emagrecer

7 hábitos que te impedem de emagrecer

Para algumas pessoas, emagrecer pode ser uma tarefa extremamente difícil. Muitas tentam uma série de métodos, porém, sem sucesso. Contar calorias, fazer exercícios cardiovasculares e praticar o jejum intermitente estão entre as práticas mais comuns entre aqueles que desejam perder os terríveis quilinhos extras.

No entanto, a maioria de nós não percebe, mas, há hábitos que fazem esses sacrifícios não valerem de nada. E o pior: quando percebemos que não estamos emagrecendo, acabamos desistindo.

Por isso, no post de hoje, vamos falar sobre quais são os hábitos que você precisa abandonar para se perder peso de fato. Não deixe de acompanhar a seguir!

O que te impede de emagrecer?

1# Pular o café da manhã

Estudos recentes confirmaram que as pessoas que tomam café da manhã tem mais sucesso nos seus processos de emagrecimento.

A análise avaliou que, em um grupo com 350 adultos, aqueles que tomaram café da manhã todos os dias tinham a circunferência abdominal menor, em comparação com aqueles que não realizaram a refeição matinal.

Além disso, quando comemos, ao acordar, não chegamos com tanta fome no almoço. Com isso, é possível que almocemos de forma mais equilibrada.

2# Não beber água o suficiente

Beber água ajuda a queimar mais calorias e beneficia na perda de peso. Além disso, muitas vezes confundimos a sede com a fome. Em vez de ingerir um alimento fora de hora, experimente beber água e veja como a sensação de fome pode desaparecer.

3# Comer muito antes de dormir

Ao consumir um alimento antes de dormir, o corpo armazenará essas calorias como gordura, em vez de queimá-las. Um lanche leve ou uma sopa são mais indicados nesses horários.

4# Não dormir o suficiente

A privação do sono desregula o metabolismo e faz com que o organismo não queime calorias como deveria. Além disso, ficar sem dormir corretamente faz com que fiquemos muito cansados. Neste caso, é comum que optemos por refeições ricas em carboidratos para ter mais energia durante o dia.

5# Não comer gordura

Eliminar a gordura dos alimentos pode nos deixar com mais fome. Com isso, a tendência é acabar comendo demais, em seguida. Além disso, a eliminação total de gorduras das refeições impede a absorção de cálcio e de vitaminas A e D.

6# Consumir bebida alcoólica em excesso

Por tratar-se de um alimento líquido, o consumo de bebida alcoólica traz a falsa sensação de que não estamos ingerindo calorias. No entanto, cada copo de cerveja, por exemplo, tem em torno de 150 calorias.

7# Sedentarismo

Os estudos confirmam que existe uma correlação entre o tempo em que se fica sentado e a obesidade. Como nos tempos atuais é cada vez mais comum que trabalhemos muito tempo sentado, é fundamental fazer exercícios, se você quer de fato emagrecer.

Se um ou mais desses hábitos fazem parte do seu cotidiano, é hora de eliminá-los, caso o seu objetivo seja emagrecer.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião geral no Rio de Janeiro!

Posted by felipemalafaia in Todos
4 tratamentos para a obesidade

4 tratamentos para a obesidade

A obesidade é uma doença que vem crescendo assustadoramente nos últimos 10 anos. Segundo o Ministério da Saúde, neste período, o número de obesos, somente no Brasil, cresceu quase 70%.

Caracterizada pelo acúmulo de gordura no corpo, em função do consumo excessivo de calorias na alimentação, a obesidade pode vir acompanhada de uma série de doenças. Entre elas, a diabetes tipo 2, doenças do coração e hipertensão.

No entanto, a obesidade tem tratamento. E para começá-lo, o doente precisa entender que é necessário uma mudança radical no seu estilo de vida. Principalmente, se há outras pessoas obesas na família.

No artigo de hoje, vamos falar sobre os principais tratamentos disponíveis na atualidade para tratar o excesso de peso. Não deixe de acompanhar!

Tratamentos para a obesidade

Não há soluções de curto prazo para a obesidade. O segredo, inicialmente, sempre será ingerir menos calorias do que você gasta.

No entanto, em alguns casos mais complexos, pode ser necessária a cirurgia bariátrica. Em geral, ela é empregada quando a dieta, associada a exercícios físicos, não apresentou resultado satisfatório.

Como a obesidade é provocada por uma ingestão de energia que supera o gasto do organismo, a forma mais simples de tratamento é a adoção de um estilo de vida mais saudável.

Esta mudança de hábitos deve ser permanente. Caso contrário, o paciente pode engordar novamente. Acompanhe, a seguir, os principais tratamentos para a doença.

1# Alimentação saudável

A dieta saudável é o primeiro caminho para tentar se livrar da obesidade. Além disso, ela ajuda manter a saúde em dia, de uma forma geral.

A alimentação que auxilia na perda de peso envolve:

  • Dar preferência a frutas, legumes e vegetais;
  • Trocar alimentos refinados pelos integrais;
  • Evitar biscoitos doces e alimentos com muito açúcar;
  • Evitar os lanches fast food;
  • Reduzir as porções de comida ingerida.

2# Prática de atividade física

Aumentar a prática de atividade física é uma parte essencial do tratamento contra a obesidade. A maioria das pessoas que consegue manter a perda de peso por mais de um ano faz exercício físico regularmente.

O indicado é que pessoas com sobrepeso, ou obesas, façam pelo menos 150 minutos de atividade física de intensidade moderada por semana. Ou seja, uma hora de exercícios durante três dias na semana pode ser suficiente.

No entanto, para uma perda de peso mais significativa, você pode precisar se exercitar 300 minutos, ou mais, por semana. Dentro desse tempo, pode-se encorporar qualquer tipo de atividade que movimente intensamente o corpo. Pode ser corrida, caminhada, natação, andar de bicicleta, limpar a casa ou jardinagem.

Mesmo depois da perda de peso, o ideal é não abandonar a atividade física.

3# Medicamentos

A utilização de medicamentos contribui apenas temporariamente no tratamento da obesidade. Eles nunca devem ser usados como única escolha para a perda de peso.

Boa parte dos médicos são contra o uso dessas substâncias. Isso acontece pois um dos riscos mais preocupantes dos remédios para a obesidade é o de tornar o paciente dependente. Sendo assim, este tipo de tratamento deve ser acompanhado com rigor.

4# Cirurgias para obesidade

Pessoas com obesidade mórbida, e comorbidades, como diabetes e hipertensão, podem optar pela cirurgia bariátrica, que consiste em reduzir o tamanho do estômago.

A diminuição do tamanho do estômago obriga o paciente a consumir uma quantidade reduzida de alimentos, o que acarreta na perda considerável de peso.

Existem quatro técnicas diferentes de cirurgia bariátrica reconhecidas pelo Conselho Federal de Medicina (CFM):

  • Banda Gástrica Ajustável;
  • Gastrectomia Vertical;
  • Bypass Gástrico;
  • Derivação Bileopancreática.

A escolha da cirurgia dependerá do quadro do paciente, do grau de obesidade e das doenças relacionadas.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião geral no Rio de Janeiro!

Posted by felipemalafaia in Todos
É preciso emagrecer antes da cirurgia bariátrica?

É preciso emagrecer antes da cirurgia bariátrica?

A cirurgia bariátrica é popularmente conhecida pela sua eficácia na redução de peso. O procedimento é indicado quando a dieta e as atividades físicas não causam mais efeito no paciente obeso, que precisa emagrecer por questões de saúde.

Sua indicação é para pacientes com índice de massa corporal (IMC) maior ou igual a 40, ou IMC entre 35 e 40 com pelo menos duas complicações relacionadas à obesidade. Nesse caso, destaca-se doenças como a hipertensão e a diabetes.

No entanto, há algumas particularidades na preparação para a realização do procedimento, que muita gente não sabe: é importante perder peso antes da bariátrica. Continue lendo este artigo e entenda o porquê!

Por que preciso perder peso antes da bariátrica?

O primeiro motivo é que o paciente precisa se adaptar à reeducação alimentar. Ela deverá ser levada para o resto da vida.

Além disso, a redução da gordura visceral diminui os riscos cardiovasculares que envolvem qualquer cirurgia.

Outro fator que garante maior segurança na realização da bariátrica é a redução do tamanho do fígado. Uma dieta prévia pode favorecer a diminuição no tamanho do órgão, reduzindo, assim, a possibilidade de complicações durante o procedimento.

A realização de uma dieta saudável para emagrecer antes da bariátrica também pode evitar uma desnutrição pré-operatória.

De 40 a 50% das pessoas apresentam deficiência de ferro antes de operar. De 30 a 36% apresenta falta de zinco, 30% falta de tiamina e, em média, 40% possuem deficiência de vitamina B12.

O cálcio também, em geral, se apresenta abaixo do limite em 20% dos casos. Isso ocorre porque o obeso não necessariamente come bem. Ele ingere muita caloria, mas são sem valor nutricional.

Dieta pré-bariátrica

Para seguir uma dieta rica em alimentos menos calóricos, é necessário que tenha uma correta distribuição de nutrientes.

Para isso, é importante contar com o auxílio de um nutricionista. Ele poderá orientar corretamente sobre quantas refeições são necessárias, quais as porções certas de cada alimento e o que o paciente precisa comer para perder peso.

Atividade física também pode ajudar

Além da dieta, uma outra opção para a perda de peso antes da bariátrica é a prática esportiva. Associar a dieta à atividade física pode acelerar este processo de emagrecimento.

Uma simples caminhada pode ser bastante para conseguirmos deixar o balanço calórico diário bem diminuído e, com isso, ter uma perda de peso mais rápida.

Caminhar, pedalar e fazer natação são exemplos de exercícios que podem proporcionar alta perda calórica, se associados a uma dieta saudável.

Nos casos de obesos mórbidos, pode haver a necessidade do uso de medicamentos para a eficácia do processo de emagrecimento antes da cirurgia bariátrica.

No entanto, este método deve se limitar a um curto período de tempo. A dieta saudável sempre é o melhor caminho para todos os pacientes que precisam perder peso antes do procedimento de redução de estômago.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião geral no Rio de Janeiro!

Posted by felipemalafaia in Todos
Hipertensão arterial: causas, sintomas e tratamentos

Hipertensão arterial: causas, sintomas e tratamentos

Todos os dias, morrem cerca de 388 pessoas em função da hipertensão arterial, segundo o Ministério da Saúde. Esse número alarmante mostra a gravidade da doença e a necessidade de mantê-la sob controle.

Neste artigo, você vai conhecer as informações mais relevantes a respeito dessa doença. Então, se tem alguma dúvida sobre o assunto, continue a leitura.

O que é a hipertensão arterial?

É uma doença crônica que se caracteriza pela elevação da pressão sanguínea nas artérias. Ela ocorre quando os valores de pressão máxima e mínima são maiores ou iguais a 140/90 mmHg.

Quando há um nível elevado dessa pressão, o coração precisa se esforçar mais do que o normal para manter o bom funcionamento da distribuição do sangue pelo corpo. 

O não tratamento dessa condição pode acarretar em um acidente vascular cerebral (AVC), infarto, aneurisma arterial, insuficiência renal ou cardíaca.

Existem pessoas que têm a chamada hipertensão do avental branco. Essa patologia se caracteriza pela ansiedade do paciente no momento da consulta médica, fazendo com que sua pressão se eleve imediatamente. Porém, não é um caso de hipertensão arterial.

Quais são os sintomas da hipertensão?

A hipertensão é conhecida como uma doença silenciosa, ou seja, raramente apresenta sintomas da sua existência. Esse aspecto é o que a torna mais perigosa, pois várias pessoas possuem a patologia, porém, nunca receberam o diagnóstico.

Quando os sinais se manifestam, eles costumam indicar uma condição avançada da doença. Nesses casos, os sintomas são dor na nuca, visão embaçada, cansaço, sangramento no nariz, tontura, náuseas e vômito.

Quais são as causas da pressão alta?

A origem da hipertensão está na elevação da pressão arterial. Esse aumento ocorre, principalmente, pela contração dos vasos sanguíneos por onde o sangue passa. 

Não há uma causa para essa contração. O que se sabe é que ela está associada à presença de alguns dos fatores de risco abaixo:

  • Herança genética, respondendo por 90% dos casos;
  • Distúrbios da glândula tireóidea, ou endocrinológicas;
  • Consumo abusivo de álcool;
  • Obesidade e Sedentarismo;
  • Idade avançada;
  • Uso excessivo de sal;
  • Gênero e etnia, sendo mais frequente em homens negros;
  • Tabagismo;
  • Alterações nas taxas de colesterol total e triglicérides;
  • Excesso de estresse;
  • Portadores de diabetes mellitus.

Existe tratamento para a pressão elevada?

Como os sintomas surgem somente em quadros graves, a melhor forma de diagnosticar o problema é mantendo uma regularidade na medição da pressão arterial. Após os 20 anos de idade, ela deve ser medida ao menos uma vez por ano. Se houver fator de risco, duas vezes por ano.

O tratamento é efetivo e tem por objetivo manter a pressão do paciente abaixo de 130×80 mmHg. Para isso, podem ser prescritos diuréticos tiazídicos, inibidores da enzima conversora de angiotensina (IECA) ou bloqueadores de receptores de angiotensina (BRA).

Simultaneamente, o tratamento propõe o controle do peso corporal do paciente, pois o sobrepeso provoca grande impacto na pressão sanguínea. Para que você tenha uma ideia, a redução de 5% de peso corpóreo corresponde a uma diminuição de 20 a 30% da pressão nas artérias.

Outra medida importante é a mudança na alimentação. O paciente deve moderar o uso de sal e reduzir o consumo de bebidas alcóolicas. Além disso, a prática de atividades físicas é importante para diminuir as chances de mortalidade. 

Apesar de não ter cura, o paciente pode levar uma vida tranquila, desde que mantenha a pressão arterial sob controle. Conseguiu tirar todas as suas dúvidas sobre a hipertensão? Caso não, procure um médico para ser orientado.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião geral no Rio de Janeiro!

Posted by felipemalafaia in Todos
Cirurgia Colorretal por videolaparoscopia: conheça as vantagens

Cirurgia Colorretal por videolaparoscopia: conheça as vantagens

A cirurgia colorretal por videolaparoscopia é um procedimento que vem trazendo mais conforto, segurança e eficiência para o tratamento de patologias intestinais. A utilização deste tipo de técnica permite, entre outros benefícios, uma recuperação mais rápida do paciente.

Com baixa taxa de complicação, a operação videolaparoscópica é conhecida por tratar casos de câncer no intestino grosso com as mesmas vantagens da cirurgia aberta. O adicional é uma recuperação mais tranquila no pós-operatório.

Por isso, no post de hoje, vamos falar sobre como é feita e quais as vantagens deste tipo de procedimento cirúrgico. Não deixe de acompanhar!

Como é feita a cirurgia colorretal por videolaparoscopia?

A videocirurgia é uma técnica em que se opera utilizando uma pequena câmera de alta resolução (endocâmera). Nela, são utilizados instrumentos cirúrgicos de tamanho menor, que entram no abdome por pequenos tubos, chamados trocartes.

A câmera que entra na cavidade abdominal permite que o cirurgião manipule o intestino, observando o interior da cavidade em um monitor de vídeo. Esse equipamento permite que tudo seja visto em tamanho ampliado, facilitando a realização da cirurgia.

Além desse benefício, o procedimento tem ainda outras vantagens. Confira quais são eles, a seguir!

Vantagens da cirurgia colorretal por videolaparoscopia

Incisão menor

O procedimento é considerado minimamente invasivo, já que as incisões para a passagem dos instrumentos são bem pequenas, medindo de 0,5 a 1,4 cm.

Risco reduzido de infecção

A videolaparoscopia reduz a chance de complicações por infecções, pois, como as incisões são pequenas, há menor exposição da região interna a bactérias presentes no centro cirúrgico.

Recuperação rápida

O paciente que realiza o procedimento videolaparoscópico se recupera mais rápido, em comparação com aquele que se submete à cirurgia aberta. Consequentemente, a alta hospitalar também dura menos tempo.

Menos dor

Como a incisão é pequena, quem passa por este tipo de cirurgia também sente menos dor. Isso acontece pois há menos manipulação de tecidos e órgãos.

Cicatrizes menos evidentes

Como a incisão para a entrada dos instrumentos é bem pequena, a cicatriz é bem sutil, após a recuperação total. Mas, esse resultado vai depender do paciente cumprir o pós-operatório de acordo com a orientação do cirurgião.

Retorno mais rápido às atividades

Quem se submete à videolaparoscopia também tem a vantagem de retomar as atividades cotidianas mais rapidamente. Como o procedimento é minimamente invasivo, a cicatrização dos tecidos e da pele é mais fácil.

Sendo assim, o pós-operatório é mais breve, assim como a recuperação total do paciente. Em até 45 dias, é possível que alguns pacientes retomem até mesmo as atividades físicas, que eram realizadas antes da cirurgia colorretal por videolaparoscopia.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião geral no Rio de Janeiro!

Posted by felipemalafaia in Todos
Cirurgia bariátrica e saúde do coração: entenda a relação

Cirurgia bariátrica e saúde do coração: entenda a relação

Você sabia que a cirurgia bariátrica pode ser uma grande aliada da saúde do coração? Isso acontece porque boa parte das pessoas com sobrepeso possuem doenças cardiovasculares relacionadas à obesidade.

A hipertensão arterial é uma delas. Essa comorbidade, que envolve risco de vida, pode levar a um acidente vascular cerebral (AVC), a um infarto, à insuficiência cardíaca e até à paralisação dos rins.

Além da hipertensão, a obesidade pode causar o aumento da glicemia, do colesterol, triglicérides e até mesmo alguns tipos de câncer.

Por isso, a cirurgia bariátrica pode ser uma alternativa no tratamento de pacientes obesos com problemas cardíacos, que não obtiveram bons resultados com a dieta, os medicamentos e os exercícios físicos.

Entenda melhor como a bariátrica pode ajudar na saúde do coração. Acompanhe a leitura!

Sobrepeso e riscos para a saúde do coração

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais da metade das pessoas obesas são hipertensas. Essa doença está associada a complicações sérias para a saúde do paciente, como o AVC e o infarto agudo do miocárdio.

Isso acontece porque a hipertensão arterial sobrecarrega o coração, podendo causar hipertrofia (espessamento das suas paredes), dilatação e insuficiência cardíaca. Esse quadro favorece o desenvolvimento de doença arterial coronária, com risco de complicações, como infarto agudo do miocárdio. A condição pode levar o paciente à morte súbita.

O risco de complicações cardiovasculares está no excesso de gordura localizada na região do abdômen. O acúmulo de gordura abdominal, além de estar associada à hipertensão, também pode desencadear quadros de diabetes, colesterol alto e apneia do sono.

Como a bariátrica pode ajudar?

Um estudo realizado recentemente avaliou que pacientes com sobrepeso conseguiram controlar doenças cardiovasculares após a realização da cirurgia bariátrica.

Para chegar a esse resultado, profissionais do Hospital do Coração (HCor) selecionaram 100 pacientes obesos com hipertensão e os dividiram em dois grupos.

O primeiro grupo foi submetido à cirurgia bariátrica do tipo Bypass gástrico, que é a modalidade mais realizada no Brasil. O segundo grupo recebeu tratamento medicamentoso e dieta para a hipertensão.

O resultado do experimento mostrou que, no grupo submetido à cirurgia bariátrica 83,7% dos pacientes conseguiram reduzir o número de medicações e manter a pressão controlada. Enquanto isso, apenas 12,8% atingiram este objetivo no grupo que usou apenas dieta e medicamentos para pressão alta.

Um dado, ainda mais importante, constatado no estudo é que 51% dos pacientes operados conseguiram manter a pressão controlada sem nenhuma medicação. Ou seja, metade dos pacientes que se submeteram à cirurgia bariátrica se livraram dos riscos relacionados à pressão alta.

Com isso, ficou claro que há possibilidades de se obter eficientes resultados com a utilização da cirurgia bariátrica no tratamento de doenças cardiovasculares, ligadas à obesidade.

Por isso, pacientes com sobrepeso que já se submeteram a outros tipos de tratamentos, sem sucesso, devem conversar com um cirurgião especializado em bariátrica sobre a possibilidade de fazer o procedimento.

Quer saber mais sobre obesidade e saúde do coração? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião geral no Rio de Janeiro!

Posted by felipemalafaia in Todos
Hérnia umbilical em crianças: como identificar?

Hérnia umbilical em crianças: como identificar?

O mais evidente sintoma ou sinal de uma hérnia umbilical é a presença de uma saliência que surge na região do umbigo. Ela é muito mais perceptível quando a criança faz força na região do abdômen, por exemplo, ao rir, tossir, chorar ou quando vai evacuar.

É importante ressaltar que, quanto maior for a dimensão da hérnia, maiores serão os incômodos e sintomas de enjoos e dor.

Principais sintomas da hérnia umbilical em crianças

Os principais sinais envolvem náuseas, vômitos, dor e a saliência na região do umbigo, como apontamos. Porém, em alguns casos é possível perceber caroços que são palpáveis, especialmente quando a criança está de pé.

Um fato interessante de ser observado aqui, é que a hérnia costuma voltar ao normal por conta própria até os cinco anos de idade. Entretanto, é essencial que os pais da criança cuidem para que ela receba o acompanhamento médico ideal.

As visitas ao médico devem ser feitas e mantidas mesmo que a criança não reclame de dores ou de algum outro sintoma, para que seja possível avaliar a gravidade do problema.

Lembrando que quando essa condição se mostra mais complexa e a criança não recebe o tratamento mais indicado para a sua situação, a hérnia pode progredir e se estruturar de forma que fique presa na cicatriz do umbigo.

Essa situação merece atenção extra especialmente quando estamos falando de a criança ser ainda um bebê. A hérnia umbilical encarcerada pode provocar sérias complicações e colocar a vida do bebê em risco, sendo preciso que uma cirurgia de urgência seja feita.

Normalmente, o aparecimento da hérnia umbilical nos bebês costuma ser acompanhada dos mesmos sintomas verificados em crianças mais velhas e em adultos.

O surgimento dessa condição tem relação especial com a queda do coto umbilical, que ocorre pouco após o nascimento.

Alguns sinais que indicam que a hérnia no bebê é grave e pede mais atenção médica, são:

  • Barriga descolorida ou inchada — isso também ocorre tanto nas crianças quanto nos adultos;
  • Vômitos frequentes;
  • Sinais de dor óbvia;

Tratamentos da hérnia umbilical em crianças

A forma mais comum de lidar com a hérnia umbilical quando ela surge em bebês, é fazendo o uso de cintas ou esparadrapos para pressionar o umbigo para o interior da cavidade do abdômen.

Porém, existem os casos em que a criança cresce e a hérnia também se desenvolve ou ainda, ela já fez cinco anos e o problema não desapareceu. Nesses casos e, conforme critérios específicos, o médico que faz o acompanhamento da situação pode recomendar que uma cirurgia seja feita para que o problema seja corrigido.

O procedimento cirúrgico normalmente é adotado quando a hérnia umbilical:

  • Não desaparece até os cinco anos;
  • Não diminui suas dimensões entre seis e 12 meses;
  • Tem mais de 1,5 centímetros de diâmetro;
  • São dolorosas;
  • Causam bloqueio ou se predem ao intestino.

Observações importantes

As hérnias umbilicais são mais recorrentes em crianças que apresentam alguns aspectos específicos, como as que têm baixo peso ao nascer ou nasceram prematuramente.

As crianças negras também estão mais sujeitas a desenvolver essa doença. Entretanto, ela afeta ambos os sexos da mesma forma.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião geral no Rio de Janeiro!

Posted by felipemalafaia in Todos
Como é feita a cirurgia de hérnia umbilical?

Como é feita a cirurgia de hérnia umbilical?

A cirurgia de hérnia umbilical, na realidade, é um procedimento relativamente rápido de ser feito e de baixa complexidade. Geralmente, o tempo gasto na operação é de 30 a 60 minutos. Em boa parte dos casos, o paciente pode retornar para casa em um ou dois dias.

Quem permanece por mais tempo no hospital são as pessoas que têm algum problema de saúde preexistente ou que moram sozinhas.

A cirurgia de hérnia umbilical pode ser realizada de duas maneiras, por meio, da técnica tradicional, que requer um corte na região umbilical, ou por meio da videolaparoscopia, um procedimento mais rápido e menos invasivo.

Como é feita a cirurgia de hérnia umbilical?

Independentemente do modo escolhido, esse procedimento cirúrgico tem como objetivo empurrar a alça intestinal ou nódulo de volta para a sua posição normal na barriga.

Além disso, o ponto por onde se originou a saliência, ou seja, a camada muscular enfraquecida da parede abdominal é reestruturada para que fique mais forte. Nos adultos ou quando a hérnia umbilical tem dimensões maiores que as convencionais, o médico pode colocar um adesivo ou tela especial na parede do abdômen tendo em vista a necessidade de fortalecer melhor a área e garantir que ela não se rompa.

Cirurgia de hérnia umbilical aberta

Esse método, normalmente, precisa de anestesia peridural. Apesar de ser chamada de “aberta”, o corte feito é pequeno variando entre 2 ou 3 cm, de acordo com o tamanho da hérnia. No mais, pessoas obesas requerem um corte maior.

Cirurgia de hérnia de umbigo via videolaparoscopia

Esse método geralmente faz uso de anestesia geral, apesar de que a epidural também possa ser usada. Por ser um procedimento menos invasivo — são feitos pequenos furos — o paciente tem menos marcas, menos riscos e a volta à rotina é mais rápida.

Tempo de recuperação

Normalmente, o período de recuperação para a cirurgia de hérnia umbilical não costuma ser muito longo, sendo que o tempo de internação hospitalar varia entre 12 e 24 horas.

Dentro de 3 a 5 dias após a cirurgia, a pessoa já pode retornar à maior parte das atividades do dia a dia que são de seu costume.

Para voltar a trabalhar o período de espera fica entre 1 e 2 semanas, mas desde que a pessoa não tenha que fazer grandes esforços, tais como levantar peso.

Assim como outras operações, essa também pode trazer algumas reações e complicações. Dentre as mais comuns temos a infecção, lesão de nervos e dor. O reaparecimento da hérnia é algo extremamente raro.

É importante destacar que no caso da hérnia umbilical a cirurgia é o único método de tratamento e cura. Os demais tipos de tratamentos não tem a capacidade de resolver o problema, pois atuam mais precisamente nos sintomas.

Por fim, o tipo de cirurgia de hérnia umbilical é algo que, além de ser discutido entre o médico e o paciente, depende de alguns fatores, como a pessoa ser ou não obesa, ser portadora de outras doenças ou ainda, da idade e do tamanho da hérnia.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião geral no Rio de Janeiro!

Posted by felipemalafaia in Todos