tireoide

Cirurgia na tireoide: quando é indicada?

A glândula tireoide é um dos órgãos mais importantes do nosso corpo, pois, é responsável por produzir hormônios que atuam por todo o organismo. No entanto, em função de alguns distúrbios ou patologias, se faz necessário removê-la por meio da cirurgia de tireoide.

Neste post, explicaremos tudo sobre o procedimento, desde como é realizada até os cuidados do pós-operatório. Ficou interessado? Então, continue a leitura.

Quando a cirurgia na tireoide é necessária?

A cirurgia de tireoide compreende diferentes tipos de procedimentos, podendo ser realizada para a ressecção de um nódulo separadamente, remoção parcial ou a retirada completa da glândula.

Ainda, a tireoide está localizada na parte inferior do pescoço, abaixo do “pomo de Adão” e possui o formato semelhante ao de uma borboleta. Entre suas responsabilidades está a produção, o armazenamento e a liberação de hormônios tireoidianos para o organismo.

Ademais, a tireoidectomia, como é chamada essa intervenção, é um procedimento complexo e delicado, pois, é realizada em região próxima a artérias, nervos, veias e músculos vitais. No entanto, há uma grande taxa de sucesso da cirurgia, sem qualquer tipo de complicação.

Embora seja um órgão importante, é possível levar uma vida normal após a sua remoção. Para suprir a necessidade hormonal do organismo, basta ingerir diariamente a dosagem recomendada do hormônio tireoidiano por toda a vida. A seguir, as principais indicações para essa cirurgia:

  • câncer ou suspeita de câncer de tireoide: uma das principais indicações para realização da tireoidectomia é o diagnóstico ou suspeita de um tumor maligno na região;
  • bócio: trata-se do aumento benigno da tireoide em razão de um nódulo. A cirurgia só é indicada se houver sintomas graves, como falta de ar ou dificuldade para engolir. Da mesma forma, a tireoidectomia é necessária nos casos de bócio mergulhante, quando a glândula desce abaixo do nível dos ossos que marcam o início do tórax;
  • hipertireoidismo refratário: o hipertireoidismo é um distúrbio caracterizado pelo aumento excessivo na produção de hormônios tireoidianos. Quando o tratamento medicamentoso não é suficiente e outras técnicas não obtiveram sucesso, realiza-se a cirurgia para controlar os sintomas do paciente;
  • estética: a presença de nódulos no istmo (parte superficial da tireoide) pode trazer desconforto estético para o paciente. Neste caso, é  ele que manifesta o desejo de realizar a tireoidectomia.

Como o procedimento funciona?

A cirurgia de tireoide leva cerca de duas horas para ser concluída, exigindo a aplicação de anestesia geral. O primeiro passo é a realização de um corte no pescoço para que o cirurgião visualize a glândula. 

Ainda, as próximas etapas variam de acordo com a técnica utilizada e o resultado esperado. No caso da tireoidectomia, a tireoide pode ser removida parcial ou totalmente. Já na lobectomia, retira-se apenas um lado da glândula e o istmo.

Por último, quando a remoção da tireoide não é suficiente, retiram-se também os linfonodos próximos à glândula e a cervical. Na maioria dos casos, após a realização da cirurgia o paciente precisa realizar a reposição hormonal.

Quais são as possíveis complicações?

Por ser uma glândula que atua em todo o organismo e por se localizar em uma região próxima a outras estruturas, a cirurgia da tireoide pode causar algumas complicações. A seguir, listamos as situações mais recorrentes:

  • alterações no nível de cálcio no sangue;
  • febre e dor;
  • infecção respiratória, urinária ou digestiva;
  • abscessos;
  • hemorragia;
  • dificuldade respiratória;
  • alterações hormonais;
  • paresias e paralisias;
  • alterações da voz, da fala ou da deglutição;
  • queloides.

Porém, as cirurgias na tireoide têm índice baixo de complicações. Então, com a leitura deste post, você já sabe quando o procedimento é indicado, como é realizado e também conhece os principais riscos do pós-operatório.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião geral no Rio de Janeiro!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp