diabetes

Diabetes: sintomas, causas e tratamentos

De acordo com levantamento da Organização Mundial da Saúde (OMS), existem mais de 16 milhões de brasileiros diagnosticados com diabetes, um aumento de 61,8% na incidência da doença nos últimos dez anos.

Apenas pela observação desses números podemos perceber que a condição representa um problema de saúde pública no país. Por isso, é necessário conhecer mais sobre ela. Então, continue a leitura do post e descubra tudo o que precisa a respeito da doença.

O que é diabetes?

Trata-se de uma patologia ocasionada pela produção insuficiente do hormônio insulina ou pela incapacidade do organismo em absorvê-lo adequadamente. A ausência de controle do diabetes pode ocasionar outros problemas de saúde, como doenças cardíacas, perda de visão e problemas renais.

Ainda, a insulina é o hormônio responsável pela regulação dos níveis de glicose (açúcar) no sangue. Para isso, faz a sua metabolização, transformando-a na energia necessária para o bom funcionamento do organismo.

Ademais, o diabetes mellitus, como é chamado, pode surgir se manifestar de diferentes formas e também ter origem em situações distintas. A seguir, conheça um pouco mais sobre os principais tipos dessa doença.

Pré-diabetes

O pré-diabetes é o quadro que antecede o desenvolvimento da doença. Assim, o paciente apresenta altas taxas de glicose no sangue, mas não suficientes para caracterizar o diabetes tipo 1 ou 2.

Na maioria dos casos, é diagnosticada em pacientes obesos, hipertensos ou com níveis elevados de colesterol. O pré-diabetes é a única etapa que pode ser revertida, possibilitando a prevenção da doença.

Ademais, este tipo de diabetes não manifesta sintomas, sendo possível diagnosticá-la apenas pelo exame de sangue. A principal forma de tratamento é controlar a alimentação, acompanhar a pressão arterial e fazer alguma atividade física regularmente.

Diabetes tipo 1

Trata-se do tipo mais raro de diabetes, respondendo por cerca de 10% dos diagnósticos. Essa forma da doença é considerada crônica e hereditária, ou seja, tem relação direta com o histórico familiar da doença.

Ainda, o tipo 1 ocorre quando o pâncreas perde a capacidade de produzir insulina. Geralmente, essa condição resulta de um defeito nas células de defesa do organismo, que passam a combater as células beta do pâncreas, prejudicando o seu funcionamento.

Ademais, este tipo é mais comum na infância e na adolescência e tem como sintomas mais comuns a vontade constante de urinar, sede excessiva e a perda de peso. A principal forma de tratamento é a reposição de insulina injetável e mudanças no estilo de vida.

Diabetes tipo 2

Trata-se da condição que surge pelo não aproveitamento do corpo da quantidade necessária de insulina produzida. Neste sentido, costuma estar relacionada com sobrepeso, obesidade, sedentarismo, hipertensão, triglicerídeos elevados e maus hábitos alimentares.

Ademais, o diabetes tipo 2 é a forma mais comum da doença, representando 90% dos casos. Esse quadro pode ser controlado com o uso de medicamentos orais ou injetáveis. No entanto, a doença pode se agravar com o tempo.

Ainda, este tipo é conhecido por ser silencioso, manifestando poucos ou nenhum sintoma. Quando surgem, eles são: cansaço frequente, formigamento nos pés e feridas de difícil cicatrização.

Outrossim, a mudança nos hábitos alimentares é a principal forma de tratamento do tipo 2. Além disso, pode ser necessária a utilização de antidiabéticos orais e outros medicamentos que estimulam a produção de insulina.

Por fim, com a leitura deste post, você conheceu as principais formas de manifestação do diabetes. Então, como você pode perceber, a reeducação alimentar e a prática de atividades físicas são as medidas mais eficazes para prevenir e controlar essa patologia.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião geral no Rio de Janeiro!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp