obesidade infantil

Obesidade infantil: por que ocorre e como tratar?

De acordo com o levantamento da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), o número de crianças e adolescentes obesos em todo o mundo se tornou dez vezes maior nas últimas quatro décadas. Assim, a obesidade infantil é um problema mundial de saúde pública.

Você sabe como essa patologia é causada? Conhece as formas de tratamento? Então, não deixe de ler este texto. A seguir, responderemos a essas e outras dúvidas sobre o assunto.

O que é obesidade infantil?

Trata-se de uma condição associada ao excesso de gordura corporal em crianças e adolescentes, de modo que o peso esteja acima do recomendado para sua idade e altura. Além de afetar a qualidade de vida, pode facilitar o desenvolvimento de diversas outras doenças.

Ainda, para determinar o quadro de obesidade infantil existe o Índice de Massa Corporal (IMC) que é calculado de forma diferente que a dos adultos. Neste caso, primeiro deve ser obtido o resultado através da fórmula padrão: peso dividido pela altura ao quadrado.

Em seguida, deve-se consultar a tabela que estabelece percentis relacionados à idade e ao sexo do indivíduo. A depender do resultado do IMC, a criança ou o adolescente pode ser classificado da seguinte forma:

  • baixo peso: percentil menor que 5;
  • peso normal: entre o percentil 5 e 85;
  • sobrepeso: entre o percentil 85 e 95;
  • obesidade: percentil maior que 95.

Quais são as causas?

A principal causa de sobrepeso e de obesidade infantil é o desequilíbrio calórico. Ou seja, o indivíduo ingere mais calorias do que é capaz de queimar durante o dia. Esse desequilíbrio pode ser provocado pelos seguintes fatores:

  • sedentarismo: com as diversas opções de entretenimento que surgiram nos últimos anos, as crianças e adolescentes reduziram consideravelmente o nível de atividades físicas diárias, tornando-se sedentários;
  • ingestão excessiva de alimentos gordurosos: outra mudança ocorrida nas últimas décadas é o perfil da alimentação dos mais novos. Seja pela dificuldade em dizer não dos pais ou pelo mau exemplo dos adultos, as crianças estão se acostumando a comer mal;
  • genética: estima-se que uma criança tenha 50% de chances de se tornar obesa quando um dos pais também é. Caso sejam os dois pais, esse percentual chega a 100%;
  • desmame precoce: o aleitamento materno exclusivo deve ser mantido até os seis primeiros meses de vida e a amamentação até os dois anos. Cada mês de amamentação materna reduz em 4% o risco de desenvolvimento da obesidade infantil.

Como é o tratamento da obesidade infantil?

Além da doença em si, a obesidade é um fator de risco para o desenvolvimento de diversas doenças. Dentre elas, hipertensão, apneia do sono, diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares e cerebrovasculares.

Neste sentido, o primeiro passo do tratamento é diagnosticar a presença de uma ou mais comorbidades. Quando existem, elas também serão tratadas. No caso da obesidade infantil, o tratamento consiste na reedução alimentar da criança ou do adolescente e na prática regular de atividades físicas.

Outras alternativas utilizadas com menor frequência são o acompanhamento psicoterápico e o uso de medicamentos. No entanto, essas duas alternativas só apresentam resultados se houver uma mudança no estilo de vida do indivíduo.

Enfim, a obesidade infantil é um problema grave e que precisa ser tratado. Por isso, os pais devem estar alerta aos hábitos alimentares dos filhos, evitando que consumam alimentos hipercalóricos e que sejam sedentários.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião geral no Rio de Janeiro!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp